09/08/2016

Vida Que Segue


Desapareci daqui e de outros tantos lugares... na verdade eu estava me reencontrando, aprendendo que sou limitada, como qualquer outro mortal. Perceber, mesmo na marra, que chegamos no nosso limite, nos salva. Saber-se limitada requer consciência, saber que é hora da "poda" para continuar viçosa e forte feito planta é passo importante pra se manter vivo. Eu me via crescendo frondosa pessoa: mãe, mulher, esposa, filha, irmã, tia, amiga, cuidadora de bicho, do lar, estudiosa, ilustradora, fotógrafa, artista, carpinteira, pedreira, escritora, ilustradora, psicóloga, deus, buda, alá... e lá, lá, lá, eu achava que dava conta de ser "tudo" e mais um resto de coisas e gentes, empurrando minhas necessidades físicas para um cantinho, daqueles que a gente visita só de ano em ano, só pra fazer a faxina no sótão. De repente, me vi rendida...o meu corpo me parou, ele havia me dito: "Estas dores que você sente são mensageiros. Ouça-os. Fechei minha boca e falei com você em uma centena de maneiras silenciosas." (Rumi) , mas você fingia-se surda.




Há uns cinco meses tenho sentido dores abdominais e nas costas, eu tomava um chá, um remedinho para a dor... não escutava meu corpo, ou melhor, não "tinha tempo" pra correr atrás disso, marcava e desmarcava minha médica na mesma frequência que as dores iam e vinham. Eis que nos últimos dias as dores se intensificaram, fui ao médico e nos meus exames constava;  imunidade  baixa e um início de anemia, medicada voltei para a rotina, confesso que mais devagar do que o normal, mas lá fui eu correr atrás das minhas coisas e das dos outros. Na semana que passou fiz novos exames e tomografias de urgência, as dores eram agora por todo o corpo, um mal estar geral... eu estava com uma infecção urinária bem séria (bexiga com sangue e secreção), além de uma gastrite que impedia de eu me alimentar e com os níveis dos minerais que nos deixam em pé quase zerados, por conta de tudo isso fui hospitalizada durante quatro dias, novos exames, muitos medicamentos, antibióticos na veia, 5 horas de potássio ,via veia também, por dia e soros para me reerguer.
Uma angústia tomava conta de mim durante o tempo que me vi internada num hospital, tantos pensamentos passavam pela minha cabeça enquanto sentia meu corpo doente... eu era uma ausência de mim mesmo, uma apatia estranha e desconhecida, era meu corpo pedindo ajuda para minha alma, ou o contrário, impossível ensurdecer diante de um pedido desses... era uma saudade de casa misturada com uma saudade de mim... forte que sou, sei que sou, acho que sou; felizmente me mantive numa vibração de amor, desses amores que curam tudo.
Há alguns dias em casa (aleluia mil vezes) me fortaleci, descansei, estou muito bem.  Não via a hora de voltar! Me ver numa cama, prostrada, logo eu que nunca paro, era muito torturador. Eu pensava o tempo todo na minha família, na bicharada, nos amigos, etc, etc e etc, respirava fundo, olhava pra dentro e sentia que o melhor naquele momento era pensar em mim (nada fácil, mas exercitando a gente consegue), eu precisava ficar bem, voltar bem. 
Escrevo tudo isso para compartilhar com vocês o aprendizado que tive com a dor, (a luz entra na gente pelas feridas abertas). NÃO HÁ COMO CUIDAR DOS OUTROS SE A GENTE NÃO SE CUIDAR, se a gente não olhar para o lado de dentro, para as mensagens “silenciosas” que a vida, o corpo e a alma nos mandam, era hora de eu parar um pouco, escutar as minhas necessidades, esqueci de me envolver comigo, ou melhor: só comigo, pois eu estou dentro de tudo o que estava emergida, mas no meu silêncio eu procura a escuta alheia ao invés da minha. Além de tudo o que tenho por fazer e viver eu corria feito doida atrás de doações para algumas pessoas, corria atrás de suprir as carências dos animais da rua, entre outras coisas... e não pretendo parar de fazer tudo isso, mas preciso fazer de forma equilibrada. Sempre ensinei para os meus filhos: “primeiro os outros”, a frase não é essa, o ensinamento não é esse. O aprendizado tem que ser: olhar atento para os outros e suas carências, mas sem fechar os olhos para nossas próprias necessidades e desejos! Eu não quero mais tempo ou que meu dia tenha trinta horas, eu só preciso respirar profundamente, encher meu peito de ar, administrar melhor minhas escolhas e respeitar meu cansaço, a responsabilidade do que faço com os meus dias é totalmente minha e não pretendo deixar de fazer nada do que amo fazer, eu sou assim: inquieta e curiosa, não são as "obrigações" e tarefas que me tornaram assim, sempre fui, quando não havia muito o que fazer, eu inventava, ainda invento. Falo sempre com Deus e por vezes eu e ele discutimos intimamente sobre esse meu jeito de ser, já cheguei pedir a ele que me acalmasse, ele disse (no ouvido da minha alma) que eu morreria. Vivo intensamente tudo o que me proponho a fazer, me entrego e sei que não conseguiria ser diferente, o que eu estava desconsiderando era que preciso de um tempo só pra mim, pra dar uma caminhada sozinha, voltar a meditar, fazer exercícios, dançar,  sair,  tempo pra eu me cuidar sem ficar pensando em todo o resto.








O processo de me enxergar, de me respeitar, de me permitir limitada, de me reconhecer fraca, de me entregar ao cansaço, de escutar o canto do meu peito e as batidas do meu coração e de me observar foi e é fundamental, a partir dele tenho desenhado mudanças corajosas e difíceis pra mim, aos poucos vou reconstruindo meu jeito de fazer as coisas, nunca poderia deixar de fazê-las, pois quando faço o que amo é como se um rio claro e puro corresse dentro de mim, me hidratando e regando minhas securas, o que preciso é aprender a canalizar melhor essas águas.
Quase morri de saudades dos filhos, nunca havia ficado longe deles tanto tempo e numa situação tão dolorida, quando os revi tive a certeza de que ficando perto, cuidando e sendo cuidada por quem amo tem um efeito banho de água límpida e AMOROSA sobre minha alma, como esse que ilustra essa postagem.




Estamos todos bem e mais fortalecidos, quero agradecer a minha família e a duas amigas-irmãs; Gabi e Simone que me ajudaram a passar por esse caminho, sei que o que passei é peso leve perto do que muitas pessoas passam em relação a falta de saúde, dores ou doença, dificilmente alguma coisa tira meu desejo de viver e de ser cada vez mais feliz, com infelicidades no meio, então gente querida: É VIDA QUE SEGUE.

 Grata total pelo carinho e respeito.
  

4 comentários :

  1. Puxa, como te entendo! Com meus 4 filhos pequenos e sem ajuda, vivi momentos assim...Pro outros, TUDO! Pra mim, não dava tempo... Depois levamos sustos e as coisas entram nos eixos quando caímos na real e que não somos de ferro...Aliás, ele nos falta! Que bom que pudeste ter tua família te ajudando, estás bem e aprendeste a "lição"... Fica bem, fiquem todos bem! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Aqui de Minas mando minhas mais sinceras vibrações de luz para você flor ... se cuida, mas se cuida mesmo até o último fio de cabelo (rs) e nesse meio tempo faça aquilo que te conecta com sua essência. Também passei por um mal pedaço anos atrás, e quase fui parar do outro lado do véu ... e esse lance de desacelerar é complicado mesmo, mas a gente consegue quando percebemos o que está em risco. Beijo beeeeeem grande ... que Deus os abençoe !!!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Rosane,
    Acho que boa parte das mulheres se sentem como mulheres maravilhas ou super mulheres. O fato é que somos feitas de carne e osso e sentimentos à flor da pele. Às vezes precisamos chegar a impossibilidade de realizar qualquer coisa pra que paremos para refletir e dar conta que temos que cuidar de nós mesmas para que continuemos a cuidar dos outros, sim não viveríamos se não cuidássemos de filhos, maridos, cachorros, vizinhos,etc...
    Que bom que está em casa e que bom que refletiu a respeito, cuide-se bem agora pra continuar cuidando desses filhos tão caros ao coração.
    Um abraço bem forte.
    Mari

    ResponderExcluir
  4. Somente hoje tive a oportunidade de esta aqui e ler ... Fico feliz que esteja bem.
    Amo a vida por isso.Ela nos ensina, as vezes na marra. Acho que a inquietação é um mal ou um bem de quem tem a habilidade ou o dom de criar, de uma ansia de viver. Mas... eis que Deus no seu imenso silêncio resolveu criar tudo em 6 dias... No setimo descansou... Precisamos aprender o mesmo... um bocadinho de tempo pra nós não faz mal.Bjinhos

    ResponderExcluir

Pin It button on image hover