Reaprendendo

Imagem: Pinterest

É muito mais fácil escrever sobre levar a vida de forma feliz sem olhar com lente de aumento as coisas ruins que acontecem com a gente, do que viver nesta prática. Pois é, em pleno final de semana fui parar no plantão médico com uma dor insuportável no estômago. Há tempos vinha me sentindo mal depois das refeições, mas pensávamos ser indigestão. Então o médico solicitou que eu fizesse um exame de intolerância a lactose, fiz na quinta-feira, passei tão mal lá mesmo no laboratório que mal pude terminar o exame. Enfim, na sexta-feira com o resultado em mãos constatamos que sou 100% intolerante a lactose, ou melhor, me tornei uma pessoa intolerante a lactose. Este tipo de intolerância pode se nascer com ela ou desenvolvê-la com o tempo, este é meu caso. Sentia muita dor , fui parar no plantão em plena madrugada do sábado.
Estava eu lá, me contorcendo de dor, tomando soro e medicamento, um frio danado, uma vontade louca de ir para casa, eram 2h da madrugada,  e acreditem, meus posts vieram na minha lembrança. Não havia posição em que eu me sentisse bem, então pensei: e agora, vamos lidar com mais essa, lidar da forma mais serena que puder. Eu que sempre falo em ver a vida com olhos de felicidade, otimismo e paciência, queria me sentir assim, pensar em coisas boas, tentar fazer uma carinha "mais ou menos". Comecei a lembrar dos meus escritos, do meu desejo de levar numa boa até os momentos de dor, estava reaprendendo aquilo que acredito. E mais ainda, reaprendendo que também posso chorar, sentir dor, sofrer. De vez em quando precisamos nos entregar a estes sentimentos!
Bom, depois de duas horas e meia estávamos liberados. Saí de lá não muito bem ainda, mas consegui dormir e aos poucos as coisas estão voltando ao normal, ainda sinto um pouco de dor, estou fazendo ecografias e exames. "Vamo que vamo"!
Ficar sem a dita lactose na alimentação, aí é que são elas, sem meu café com leite, o arroz doce e a ambrosia da minha mãe, sem queijo, sem muitos tipos de doces e sem alguns tipos de salgados.
Estou louquinha atrás de informações e muita coisa já esclareci, existem muitos substitutos da lactose, a maioria a base de soja. E lá vou eu, fazendo receitas novas, inventando outras formas de cozinhar. Ainda bem que adoro verduras e frutas, com as quais fazemos maravilhas.
O que tenho pra dizer é que estou sem nada de lactose na alimentação há quase uma semana e já me sinto bem melhor, não tem coisa mais extraordinária no mundo do que sentir-se bem.
Estando de bem com a saúde, poderei sentir na memória o gostinho bom do arroz doce de minha mãe e tudo mais que terei que deixar para trás. E lá de vez em quando vou fugir a regra, consumir um pouquinho só não vai me maltratar, palavras do médico.
Agora estou em fase de adaptação, tentando ser forte e resistir as tentações, por enquanto tem sido tranquilo, marido me ajudando sempre. Família apoiando, eu me disciplinando, estudando e pesquisando sobre o assunto.
No enredo todo, sei que nada é irremediável, então remediado está.
Sem lactose mas com mais saúde, mais vontade de trabalhar e de ser feliz!
Tantas coisas mexem comigo, tantas outras coisas me preocupam, que esta tirarei de letra, espero! 
Estou reaprendendo a me cuidar e a escutar o que meu corpo me diz.
Um brinde a amizade, a saúde, ao amor, ao reaprender.
Um brinde com cervejinha, vinho, chazinho, suquinho, chimarrão, cafezinho preto... Tudo isso PODE!!!!!!!!


Um doce beijinho!