Encantada - Enchanté

Não poderia ter outro título esta postagem, pois é assim que me sinto em relação as ilustrações de Rebecca Dautremer, uma ilustradora e escritora nascida em 1971 no sul da França, estudou Design Gráfico em Paris.
Sou encantada, fascinada e apaixonada pelo seu trabalho!
Ela pinta e desenha como ninguém.
Quanto a mim, provoca todos os meus sentidos: visão, olfato, paladar, tato, audição e o maior e mais importante de todos a emoção.
Não sei bem explicar o que acontece comigo frente as suas ilustrações, só sei que fico assim, meio perplexa e fascinada com tanta beleza.
Rebecca usa as cores de uma forma tão intensa, que me convida a entrar na sua obra, mergulhar de cabeça e coração.


Provoca ou não provoca os sentidos?!!!
Estas imagem falam por si, não precisam de texto algum!



























No livro Princesas Esquecidas ou Desconhecidas, 
o meu preferido e livro de cabeceira.
Escrito por Philippe Lechermeier e ilustrado por Rebecca,
 encontramos textos e imagens que falam de princesas
 que ninguém conhece ou se quer querem conhecer.
 Princesas que largam pum, chegam atrasadas e 
fazem coisas comuns, como todo o mortal!
É tão, mais tão lindo que já li e reli muitas vezes 
e me deslumbro com suas imagens
um alimento para minha criação!

Hoje faço o primeiro post sobre este livro, 
todas as semanas mostrarei um pedacinho deste encanto.



Você conhece a princesa Sapilda?
Já viu a Princesa Mathuvu?
São muitas que se escondem no fundo de 
um palácio ou no alto de uma torre!
Tudo o que se sabe destas princesas está neste livro.
Segredos de palácios, ruídos de corredor, 
confidências de alcova.
Tudo bem explicado, desenhado e misturado.
Você só tem que remexer e descobrir o mundo das 
Princesas Esquecidas e Desconhecidas. 
E quem sabe você não vai se reconhecer nelas!!







Imagens escaneadas do meu livro.


Acho fascinante pensar que as princesas também têm defeitos, aprontam, erram, se enganam, são iguaizinhas a nós!!!!
Nada de princesas estereotipadas e absolutamente perfeitas.
Crianças e adultos aprendem mais com isso.
Lemos e vemos pessoas mais próximas das reais, com preguiça, de gosto duvidoso, espalhafatosas (que palavra deliciosa de se falar)...
Aceitando-se como são e nem por isso deixando de serem nobres!


Beijinho e um abraço apertado!