Saudade

Se contasse tudo o que fiz esta semana vocês nem acreditariam, mas posso dizer que em três noites dormi o total de 7 horas. E neste momento estou indo para uma formatura de uma querida.
Acontece que o Festival de dança que organizo com meu alunos era para ser em dezembro, mas por um problema de data tivemos que marcar para 22 de outubro, quase dois meses antes.
Imaginem que temos menos de 2 meses para organizar TUDO: 80 figurinos, textos, dança, músicas, cenários, ensaios, convites, divulgação, etc, etc...
Mas além disso tudo, estou atarefada demais com umas pinturas e com meus cães, depois eu conto sobre os meus peludinhos.
Desculpa a ausência, mas saibam que não deixo de lembrar de vocês um dia se quer, estou com muita saudade e logo vou visitá-las!!!!


Quero para você o espírito desta imagem: 
muitas flores no seu caminho!!!!
Um sopro de vida!!!

Pinterest

As coisas que restam sobrevivem num lugar da alma que se chama saudade. A saudade é o bolso onde a alma guarda aquilo que ela provou e aprovou. Aprovadas foram as experiências que deram alegria. O que valeu a pena está destinado à eternidade. A saudade é o rosto da eternidade refletido no rio do tempo. É para isso que necessitamos dos deuses, para que o rio do tempo seja circular: “Lança o teu pão sobre as águas porque depois de muitos dias o encontrarás...“ Oramos para que aquilo que se perdeu no passado nos seja devolvido no futuro. Acho que Deus não se incomodaria se nós o chamássemos de Eterno Retorno: pois é só isso que pedimos dele, que as coisas da saudade retornem.
Ando pelas cavernas da minha memória. Há muitas coisas maravilhosas: cenários, lugares, alguns paradisíacos, outros estranhos e curiosos, viagens, eventos que marcaram o tempo da minha vida, encontros com pessoas notáveis. Mas essas memórias, a despeito do seu tamanho, não me fazem nada. Não sinto vontade de chorar. Não sinto vontade de voltar.
Aí eu consulto o meu bolso da saudade. Lá se encontram pedaços do meu corpo, alegrias. Observo atentamente, e nada encontro que tenha brilho no mundo da multiplicidade. São coisas pequenas, que nem foram notadas por outras pessoas: cenas, quadros: um filho menino empinando uma pipa na praia; noite de insônia e medo num quarto escuro, e do meio da escuridão a voz de um filho que diz: “Papai, eu gosto muito de você!“; filha brincando com uma cachorrinha que já morreu (chorei muito por causa dela, a Flora); menino andando à cavalo, antes do nascer do sol, em meio ao campo perfumado de capim gordura; um velho, fumando cachimbo, contemplando a chuva que cai sobre as plantas e dizendo: “Veja como estão agradecidas!“ Amigos. Memórias de poemas, de estórias, de músicas.
Diz Guimarães Rosa que “felicidade só em raros momentos de distração...“ Certo. Ela vem quando não se espera, em lugares que não se imagina. Dito por Jesus: “É como o vento: sopra onde quer, não sabes donde vem nem para onde vai...“ Sabedoria é a arte de provar e degustar a alegria, quando ela vem. Mas só dominam essa arte aqueles que têm a graça da simplicidade. Porque a alegria só mora nas coisas simples. 

Rubem Alves

Um beijinho muito simples e cheio de felicidade!